As Áreas de Proteção Ambiental (APA) Marinhas do Litoral Sul, Centro e Norte e Áreas de Relevante Interesse Ecológico (ARIE) do Guará, no litoral Sul, e de São Sebastião, no Norte são UCs sob a responsabilidade da Fundação Florestal (FF), que foram criadas em 2008 e, recentemente, numa parceria junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), tiveram seus processos de Plano de Manejo (PM) retomados.

O Ekos Brasil, conta com mais de 60 especialistas que, juntamente com a FF, tiveram a missão de elaborar do diagnóstico técnico, integrá-lo ao diagnóstico participativo, promover a avaliação estratégica e o zoneamento, numa empreitada intensa e inovadora que culminará nos 5 Planos de Manejo.

Nesta faixa de litoral, de 864 km de extensão, há praias arenosas e costões rochosos, também ilhas, ilhotas e lajes, e fragmentos do bioma Mata Atlântica que ainda despontam constituindo um conjunto paisagístico único emoldurado pelo mar cristalino. Esta paisagem, embora dispute permanentemente espaço com a urbanização e suas atividades decorrentes, mantém rica biodiversidade local, de grande relevância regional e nacional.

O Plano de Manejo deve contribuir no ordenamento das atividades no território das APAs balizado pelos objetivos de criação dessas unidades de conservação, mas não deve deixar de considerar os aspectos relacionados à inserção destas áreas protegidas e população a ela relacionada no território físico e político mais amplo que a abrange.

No caso das APAs Marinhas e ARIEs, por ser o litoral paulista um território caracterizado por alto grau de impacto da ação humana e com intensa atividade comercial, industrial e de transportes, o contexto local impõe um grande desafio às equipes envolvidas no Plano, o de aliar o desenvolvimento econômico à conservação da biodiversidade marinha e hábitos tradicionais remanescentes.

O Processo Participativo é chave na tomada de decisão no planejamento da gestão das unidades.