Uma das estratégias mais eficientes para conservar a biodiversidade é transformar áreas naturais remanescentes em Unidades de Conservação (CDB, 2012). As Unidades de Conservação (UCs) têm como objetivo principal proteger a biodiversidade, por meio da manutenção dos recursos genéticos, da diversidade de espécies e de ecossistemas, recursos hídricos e edáficos, proteger paisagens naturais, e promover a restauração de ecossistemas degradados (SNUC, 2006). Além disso, podem ser usadas como áreas de recreação, sobrevivência e sustentação de famílias tradicionais, ou palco para pesquisas. As UCs demonstram cada vez mais que podem gerar benefícios ambientais, sociais, culturais e econômicos, e que devem estar na pauta de instituições públicas e privadas e das demais estratégicas globais de preservação da sociobiodiversidade.
O Ekos Brasil, a fim de auxiliar no processo de ampliação, perpetuação e manejo das áreas naturais protegidas, atua em toda a cadeia de planejamento e gestão dessas áreas, desde a elaboração de diagnósticos socioambientais, planos de manejo, estruturação de cadeias produtivas de recursos naturais, implantação de infraestrutura de uso público, cooperação para gestão de áreas protegidas, além de exercer a função de catalisador de processos de compensação de Reserva Legal, promovendo a regularização fundiária e ambiental de UCs e propriedades rurais.

GRUPO DE PROTEÇÃO INTEGRAL

- Estação Ecologica (ESEC);
- Reserva Biológica (REBIO);
- Parque Nacional (PARNA);
- Monumento Natural (MN);
- Refúgio de Vida Silvestre (REVIS).

GRUPO USO SUSTENTÁVEL

- Área de Proteção Ambiental (APA);
- Área de Relevante Interesse Ecológico (ARIE);
- Floresta Nacional (FLONA);
- Reserva Extrativista (RESEX);
- Reserva de Fauna (REFAU);
- Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS);
- Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN).