A Mata Atlântica perdeu quase toda a sua cobertura original ao longo da história do Brasil. Hoje, restam 12,5 % de remanescentes florestais em relação ao que existia originalmente..

Conforme previsto na Lei da Mata Atlântica (Lei 11.428/2006, regulamentada pelo Decreto 6660/2008) que dispõe sobre a utilização e proteção da sua vegetação nativa, os municípios devem assumir sua parte na proteção desta importante floresta por meio dos instrumentos de planejamento. O principal deles é o Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica (PMMA), que reúne e normatiza os elementos necessários à proteção, conservação, recuperação e uso sustentável da biodiversidade do bioma. A elaboração e implementação do PMMA deverá ser efetivada em cada município que faça parte da M. Atlântica pelas Prefeituras e Conselhos de Meio Ambiente.
O objetivo do Plano é de apontar ações prioritárias e áreas para a conservação, manejo, fiscalização e recuperação da vegetação nativa e da biodiversidade da Mata Atlântica, baseando-se no mapeamento de remanescentes existentes. Outras ações que derivam diretamente do Plano são o uso sustentável dos recursos naturais, o fomento à educação ambiental, a gestão integrada dos resíduos sólidos, o ecoturismo, a conservação da biodiversidade e a pesquisa científica..
O Ekos Brasil apoia as prefeituras na elaboração dos Planos Municipais da Mata Atlântica.