Busca
Português|English
HOME|Mapa do site|Versão Impressão
Foto: Araquém Alcântara
HOME
QUEM SOMOS
UNIDADES CONSERVAÇÃO
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
ENERGIA RENOVÁVEL
REMEDIAÇÃO
INVESTIMENTOS IMPACTO
NOTÍCIAS
FALE CONOSCO
TRABALHE CONOSCO
INSTITUTO EKOS BRASIL
Av. Dr. Chucri Zaidan, 1550, cj. 1208
04711-130 - São Paulo - SP
Tel +55 11 5505-6371
Tel +55 11 3589-1502
INSTITUTO EKOS BRASIL / PROJETOS / MARINHAS
Elaboração do Plano Manejo das APAs Marinhas do Estado de São Paulo

As Áreas de Proteção Ambiental (APA) Marinhas do Litoral Sul, Centro e Norte e Áreas de Relevante Interesse Ecológico (ARIE) do Guará, no litoral Sul, e de São Sebastião, no Norte são UCs sob a responsabilidade da Fundação Florestal (FF), que foram criadas em 2008 e, recentemente, numa parceria junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), tiveram seus processos de Plano de Manejo (PM) retomados.

O Instituto Ekos Brasil, conta com mais de 60 especialistas que, juntamente com a FF, tem a missão de elaborar do diagnóstico técnico, integrá-lo ao diagnóstico participativo, promover a avaliação estratégica e o zoneamento, numa empreitada intensa e inovadora que culminará nos 5 Planos de Manejo.

Nesta faixa de litoral, de 864 km de extensão, há praias arenosas e costões rochosos, também ilhas, ilhotas e lajes, e espécies do bioma Mata Atlântica que ainda despontam constituindo um conjunto paisagístico único emoldurado pelo mar cristalino. Esta paisagem, embora dispute permanentemente espaço com a urbanização e suas atividades decorrentes, mantém rica biodiversidade local, de grande relevância regional e nacional.

O Plano de Manejo deve contribuir no ordenamento das atividades balizado pelos objetivos de criação da unidade de conservação, mas não deve deixar de considerar os aspectos relacionados à inserção desta área protegida e população a ela relacionada no território físico e político que a abrange.

No caso das APAs Marinhas e ARIEs, por ser o litoral paulista um território caracterizado por alto grau de impacto da ação humana e com intensa atividade comercial, industrial e de transportes, o contexto local impõe um grande desafio às equipes envolvidas no Plano, o de aliar o desenvolvimento econômico à conservação da biodiversidade marinha e hábitos tradicionais remanescentes.

O Processo Participativo é chave na tomada de decisão no planejamento da gestão das unidades. As oficinas participativas com os representantes estão agendadas para fevereiro e março. A previsão é que os 5 PMs estarão finalizados em abril de 2017.