Busca
Português|English
HOME|Mapa do site|Versão Impressão
Foto: Araquém Alcântara
HOME
UNIDADES CONSERVAÇÃO
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
ENERGIA RENOVÁVEL
REMEDIAÇÃO
INVESTIMENTOS IMPACTO
PROJETOS
NOTÍCIAS
FALE CONOSCO
TRABALHE CONOSCO
INSTITUTO EKOS BRASIL
Av. Dr. Chucri Zaidan, 1550, cj. 1208
04711-130 - São Paulo - SP
Tel +55 11 5505-6371
Tel +55 11 3589-1502
INSTITUTO EKOS BRASIL / QUEM SOMOS / EQUIPE
EQUIPE

 

 
Ernesto Moeri, geólogo formado pela Universidade de Berna, Suíça, e  fundador do Ekos Brasil. Após receber o PhD em geologia da Universidade de Berna, Suíça, em 1975, Ernesto Moeri começou a sua carreira profissional como geólogo de exploração mineral, trabalhando nos EUA, Groenlândia, Bolívia e Brasil. Em 1980, fundou a Geoklock, hoje líder de mercado em tecnologia ambiental. Ernesto é o Presidente do EKOS BRASIL
Ana Cristina Moeri é mestre em geografia pela Universidade de Zurique na Suiça, especializada em projetos florestais de carbono e possui curso de formação de Guarda Parque, pelo SENAC /SP. Trabalhou como coordenadora sênior de projetos para a América Latina da First Climate. É autora e co-autora e revisora de vários Documentos de Concepção de Projeto (DCP), além de ter avaliado o perfil de risco de vários projetos de carbono. Modelou o crescimento da biomassa e a geração ex-ante de créditos de carbono de vários projetos de captura de carbono por florestas. Desde 2011 trabalha no EKOS BRASIL como coordenadora de projetos de carbono e conservação.
 
 
Camila Dinat é Engenheira Agrônoma e Licenciada em Ciências Agrárias, ambos os cursos graduada pela Universidade de São Paulo ESALQ/USP. Possui experiências nas áreas de extensão rural, agroecologia e educação. Trabalhou com métodos alternativos de produção e desenvolvimento rural junto a agricultores familiares, e possui formação na área de Agricultura Urbana. Camila ingressou na equipe EKOS BRASIL em 2013 e trabalha com Planos de Manejo de Unidades de Conservação e projetos de conservação da biodiversidade.
 
 
Jéssica Fernandes é bióloga com ênfase em Meio Ambiente e licenciada em Ciências Biológicas, pelo Centro Universitário São Camilo. Trabalhou com pesquisa em biologia molecular e com educação básica. No Instituto Ekos Brasil organizou o primeiro Seminário de Gestão de Resíduos Sólidos e atualmente, atua na área de investimentos de impacto e Unidades de Conservação.

 

Mariana Moraes é Tecnóloga Ambiental formada pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), com complementação em Engenharia Ambiental na University of Manitoba, Canadá, e técnica em Bioquímica pela Escola Técnica Estadual Cons. Antônio Prado (ETECAP). Trabalhou com Energias Renováveis e no setor corporativo de Saúde, Segurança e Meio Ambiente (SSMA), atualmente no Instituto EKOS BRASIL atua nos projetos NICOLE Brasil e Seminário Internacional sobre Remediação de Áreas Contaminadas.
 
Ricardo Vilardi é Engenheiro de Produção com especialização em Business & Marketing pelo Mackintosh International College na Austrália. Possui experiência de 8 anos na gestão de organizações de diferentes segmentos de mercado e portes. Desde 2013 atua no terceiro setor e realizou formação complementar em Avaliação de Impacto e Retorno Econômico de projetos sociais pela Fundação Itaú Cultural. Atualmente ´ responsável pela gestão do Instituto EKOS BRASIL e coordenação de projetos de sustentabilidade e de impacto socioambiental.
 
 
Maria Cecilia Wey de Britoé Engenharia Agronômica formada pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiros (USP) e Mestre em Ciência Ambiental, também pela USP. Na Secretaria do Meio Ambiente, foi gestora do Núcleo Picinguada e trabalhou em diversos parques estaduais, como o PETAR. Foi Diretora Geral do Instituto Florestal e Diretora Executiva da Fundação Florestal. Coordenou o Programa Estadual para a Conservação da Biodiversidade e o Programa de Proteção da Mata Atlântica. Também fez parte da Coordenação do Programa BIOTA da FAPESP. No governo federal foi Secretária Nacional de Biodiversidade e Florestas no Ministério do Meio Ambiente. Em ONGs teve como suas responsabilidades: a Coordenação da Aliança para a Conservação da Mata Atlântica e foi Secretária Geral (CEO) do WWF-Br.

 

Consultores Associados

Francisco Laterza, geógrafo graduado pela Universidade de São Paulo, atuou em diversos projetos ambientais como geógrafo e como desenhista. Tem experiência na coordenação de equipes de geoprocessamento e na elaboração de mapas temáticos em planos de manejo de importantes áreas naturais, incluindo projetos como 32 Cavernas – PETAR/SP, Parque Estadual de Campos do Jordão/SP, Floresta Nacional de Itaituba/PA, Parque Estadual do Jurupará/SP. Atualmente Francisco também atua como professor de geografia. Área de atuação: geoprocessamento e SIG.

Heros Lobo é colaborador sem vínculo empregatício do Instituto Ekos Brasil. Bacharel em Turismo (UAM-SP). Especialista em Gestão e Manejo Ambiental em Sistemas Florestais (UFLA-MG). Mestre em Geografia (UFMS-MS). Doutor em Geociências e Meio Ambiente (Unesp-SP). Professor adjunto II na UFSC, campus Sorocaba, Depto. de Geografia, Turismo e Humanidades. Coordenador da Seção de Espeleoturismo da SBE. Eleito como Diretor Associado (2014-2018) da Diretoria da International Show Caves Association (ISCA). Coordenou e integrou equipe técnicas  de projetos de planos de manejo espeleológicos e de UC, bem como atividades de prospecção e acompanhamento espeleológico e propostas para criação de UCs. Áreas de atuação: gestão do uso público em UC, monitoramento climático, capacidade de carga turística e planos de manejo de áreas naturais protegidas.

 

Marcio Maia Vilela é bacharel em Física pelo Instituto de Física da Universidade de São Paulo, Márcio formou-se mestre em Física Nuclear Experimental também pelo Instituto de Física da USP. Realizou seu doutorado em Energia pelo Programa Interunidades de Pós Graduação da Poli, IF, FEA e IEE da USP. Pós-Doutor em Energia (Eficiencia Energética, conservação de Energia e Gestão de Recursos Naturais) pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia-USP, atua como coordenador técnico e consultor de projetos ambientais relacionados à energia renovável. Já realizou projetos de pesquisas com emissões e remoções antrópicas de GEE e atualmente, coordena um projeto de desenvolvimento de um programa ambiental que foca o uso sustentável de recursos ambientais. Áreas de atuação: Mudanças climáticas, Energia renovável, emissões de GEE.

Maria Isabel de Barros é engenheira Florestal e Mestra em Recursos Florestais, ambos graduados na ESALQ, atuou na coordenação executiva dos Planos de Manejo dos Parques Estaduais da Serra do Mar, Carlos Botelho e da Estação Ecológica de Xitué, entre outros. Na Fundação Florestal de São Paulo, foi assessora do Diretor Executivo, onde atuou em diversos projetos ligados a unidades de conservação e planos de manejo; e também como Consultora coordenando o Plano de Manejo do PETAR e do Parque da Cantareira. Atualmente, é consultora técnica independente e desenvolve projetos. Área de Atuação: Unidades de Conservação, Educação Ambiental, Gestão de Projetos

Patricia Rossi é graduada em Turismo pela UNIBERO e com especialização em Ecoturismo pelo Senac, Patricia formou-se mestra em Gestão Educativa pela Universidad Politecnica Salesiana Del Ecuador em parceria com a Universidade Federal de Brasília (UNB). Possui experiência há mais de vinte anos no mercado turístico com ênfase na área ambiental. Realiza trabalhos relacionados ao desenvolvimento de planejamento turístico, planejamento participativo e plano de manejo em Unidades de Conservação; na elaboração e implantação de projetos em ecoturismo; coordenação e supervisão de projetos. Patricia também atua na área acadêmica como coordenadora e docente de cursos superiores e possui capacitação em cursos de extensão e formação técnica em meio ambiente e turismo. Áreas de atuação: Plano de Manejo em Unidades de Conservação, Projetos em Ecoturismo,Gestão de uso público em UCs.

Renata Barroso é engenheira florestal e doutora em Recursos Florestais pela ESALQ/USP. Tem experiência em projetos de conservação, manejo, agroecologia e formulação de política pública, principalmente na floresta Atlântica. Dentre os projetos elaborados destacam-se o projeto de etnoecologia da palmeira Juçara para geração de renda em comunidades quilombolas no Vale do Ribeira; a implementação do "Pólo de Biotecnologia para o Manejo Sustentável da Agrobiodiversidade da Mata Atlântica", "Açai Authenticated Botanical Substance Project" para a United States Pharmacopeial e para a Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo. Áreas de atuação: Manejo sustentável de produtos florestais, Cadeia de produtos da sociobiodiversidade Brasileira, Comunidades tradicionais.

Ricardo Fraga, profissional graduado em geologia pela Universidade de São Paulo (Brasil), com mestrado na área de Geoquímica de Superfície também na USP, e Doutor em Ciências pela Universidade do Minho (Braga - Portugal). Atua na consultoria ambiental desde 1995, na negociação, coordenação e execução de projetos de licenciamento, investigação de passivos ambientais, monitoramento de águas subterrâneas e superficiais, remediação ambiental em áreas industriais e de mineração, auditoria ambiental em diversos segmentos da indústria, Planos de Manejo em Unidades de Conservação, estudos hidrogeológicos. Ricardo atua também na área acadêmica, ministrando cursos e/ou disciplinas nas áreas das Ciências da Terra e Gestão Ambiental. Áreas de atuação: Diagnóstico Ambiental, Especialista em Meio Físico, Gestão Ambiental.
 
Marcus Pereira é formado em Gestão Ambiental pela ESALQ/USP, com foco em economia/contabilidade. Possui experiências na área de empreendedorismo na baixa renda, desenvolvendo trabalhos em comunidades com alto grau de vulnerabilidade, incluindo cooperativas de materiais reciclável, comunidades ribeirinhas e grupos produtivos em diferentes regiões do Brasil. Possui formações complementares em Análise Transacional, Adequação Ambiental e Restauração de Áreas Degradadas, com experiência em projetos de adequação ambiental de propriedades rurais e reflorestamento.
 
 
Ricardo Scacchetti é engenheiro de produção com mestrado em economia e gestão ambiental pela Universidade Luigi Bocconi na Itália. Possui 10 anos de experiência nos campos: Mercado de Carbono, Energias renováveis, gestão empresarial e concepção/gestão de fundos de investimento voltados a projetos socioambientais. Atualmente é responsável pela gestão de projetos de sustentabilidade envolvendo mitigação e adaptação às Mudanças Climáticas e investimentos de alto impacto.
 
Deborah Goldembergé especialista em desenvolvimento social, com dezoito anos de atuação em projetos de desenvolvimento local/regional no Brasil e na América Latina, atuando em processos de planejamento participativo, diagnóstico participativo e socioeconômico, avaliação de impacto socioambiental e responsabilidade social corporativa, quase sempre com comunidades tradicionais, junto a órgãos governamentais, setor privado e não-governamental.