Busca
Português|English
HOME|Mapa do site|Versão Impressão
Foto: Araquém Alcântara
HOME
QUEM SOMOS
UNIDADES CONSERVAÇÃO
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
ENERGIA RENOVÁVEL
REMEDIAÇÃO
INVESTIMENTOS IMPACTO
PROJETOS
NOTÍCIAS
FALE CONOSCO
TRABALHE CONOSCO
INSTITUTO EKOS BRASIL
Av. Dr. Chucri Zaidan, 1550, cj. 1208
04711-130 - São Paulo - SP
Tel +55 11 5505-6371
Tel +55 11 3589-1502
INSTITUTO EKOS BRASIL / NOTÍCIAS / BR-135 MUDA TRAÇADO POR C...
BR-135 muda traçado por causa de cavernas

Fonte: O Eco

Celso Calheiros

11 de Julho de 2011



Buraco do Inferno da Lagoa é considerada caverna de máxima relevância pelas suas dimensões e por abrigar o maior lago subterrâneo do Brasil. Crédito: Grupo Bambuí

A conservação do Buraco do Inferno da Lagoa do Cemitério é responsável por um novo traçado de cinco quilômetros para a BR-135, no trecho entre São Desidério (Km 207) e Correntina (Km 212), na Bahia. Essa decisão atende a pedido do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Cavernas (Cecav-ICMBio), que classifica a formação como de máxima relevância, por abrigar o maior lago subterrâneo no Brasil (com 25 mil metros quadrados). A decisão tem chance de pacificar espeleólogos e simples freqüentadores essas cavidades geológicas tão pouco consideradas em grandes obras.

O temor pelo desrespeito ao meio ambiente começou, depois de 2007, quando o Ibama concedeu a licença de instalação para obra, com restrições até que um programa específico para a conservação das cavidades naturais fosse implementado. O plano era dar nova pista para os 556 quilômetros que ligam Belo Horizonte a São Luís, no Maranhão – uma rodovia com praticamente todo seu trajeto sertanejo.

Nem tudo ocorreu como planejado nessa estrada que, no site, propagandeia uma preocupação com a natureza em seu entorno. De acordo com representante Grupo Bambuí de Pesquisas Espeleológicas, sete cavidades menores foram suprimidas apenas com o trabalho de terraplanagem. Pedaços do teto do Buraco do Inferno da Lagoa do Cemitério começaram a cair com a obra, quando se utilizava explosivos.

As formações geológicas fazem parte do sistema João Rodrigues, que está reservado para integrar uma unidade de conservação indicada pelo Cecav. A indicação é resultado de compensação ambiental de outras duas cavernas suprimidas na região de Ituaçu, também na Bahia. A compensação acompanha a legislação para as cavernas (os trabalhos de avaliação da área e mapeamento da futura unidade de conservação estão sendo executados pelo Ekos Brasil).

Com respaldo legal e calejados com um histórico de pouca atenção para essas formações, os grupos de exploradores de cavernas entraram em ação. Ibama e ao Cecav receberam denúncias sobre o risco que o patrimônio espeleológico da região corria. A licença de instalação foi suspensa, em 2010. 

O Ibama chegou a solicitar um parecer aos especialistas em espeleologia no Ministério do Meio Ambiente. O chefe do Cecav, Jocy Cruz, lembra que foi feita uma análise no local e chegou-se a conclusão de que a rodovia deveria fazer um novo traçado. “Nosso parecer é apenas uma opinião técnica. O órgão licenciador é o Ibama”, ressaltou Jocy.

O passo seguinte do Ibama foi solicitar novo EIA/Rima para o trecho e um estudo específico, ao empreendedor da BR-135. O coordenador de Transportes do Ibama, Marcus Melo, disse que o estudo geofísico apresentado demonstrou a não interferência das obras nas cavernas da região, logo o Ibama revogou a suspensão da licença em fevereiro de 2011.

A liberação das obras a partir do km 212 teve condições: explosivos não devem mais ser utilizados e, em caso de desobstrução deve-se utilizar tecnologia que não promova vibração de grande, informou a assessoria de comunicação do Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes (Dnit). 

De acordo com o órgão do Ministério dos Transportes, a pedido do Ibama, haverá monitoramento constante das obras, de modo a identificar vibrações ou trepidações que possam afetar o patrimônio espeleológico. Haverá uma revisão do projeto (em análise) com proposta de alteração da pavimentação. Antes seriam feitas duas camadas de solo estabilizado e mais a capa asfáltica. A nova proposta é utilizar uma única camada de concreto de cimento portland. Como o novo projeto está em análise, a obra no trecho não foi retomada, informa o Dnit. 

A BR-135 cruza quatro estados e 22 municípios. Hoje, recebe um volume médio diário de 971 veículos. A previsão para o final do empreendimento é de 1.305 veículos em média por dia.




Como era a Pedra do Pescoço antes e depois das obras dão uma ideia do efeito que a pavimentação de uma grande rodovia pode causar no entorno.


07/2011

< voltar às notícias