Busca
Português|English
HOME|Mapa do site|Versão Impressão
Foto: Araquém Alcântara
HOME
QUEM SOMOS
UNIDADES CONSERVAÇÃO
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
ENERGIA RENOVÁVEL
REMEDIAÇÃO
INVESTIMENTOS IMPACTO
PROJETOS
NOTÍCIAS
FALE CONOSCO
TRABALHE CONOSCO
INSTITUTO EKOS BRASIL
Av. Dr. Chucri Zaidan, 1550, cj. 1208
04711-130 - São Paulo - SP
Tel +55 11 5505-6371
Tel +55 11 3589-1502
INSTITUTO EKOS BRASIL / NOTÍCIAS / CELPE TESTA USO DE ENERGI...
Celpe testa uso de energia solar para bombear água de poços em Pernambuco

A Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) obteve aprovação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para implantar um projeto de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) de geração de energia solar fotovoltaica destinado ao bombeamento de água em poços da zona rural de Pernambuco.

Segundo a Celpe, o sistema, que priorizará o uso de equipamentos nacionais, inclui a instalação de painéis fotovoltaicos para captação da energia do sol e transformação em energia elétrica para acionamento do motor de sucção que bombeará água do poço para um reservatório elevado (ver ilustração).

Todo o projeto será executado em parceria com a Universidade Salvador (UNIFACS), Universidade de São Paulo (USP), o Centro Brasileiro de Energia e Mudanças Climáticas (CBEM) e o governo do Estado de Pernambuco, que será feito no âmbito do Programa Estadual de Eletrificação de Poços.

“O objetivo do P&D é desenvolver um sistema de alto nível de desempenho para aplicação com motores convencionais fabricados no Brasil, facilitando a manutenção” destaca a Celpe. O projeto contribuirá para a substituição do consumo de combustíveis fósseis, como óleo diesel e gasolina, usados em poços distantes da rede de energia elétrica. Também servirá de base para futuras ações de enfrentamento às dificuldades de suprimento de água nas áreas remotas do estado, particularmente em períodos de seca, típicos da região Nordeste.

A principio, serão implantados dez sistemas experimentais que, nessa fase piloto, terão investimento de R$ 900 mil. Os sistemas serão acompanhados por especialistas até que se alcance o nível de desempenho almejado.

Os principais itens a serem monitorados serão a dificuldade de instalação, a necessidade de manutenção, a durabilidade e confiabilidade dos equipamentos, os custos operacionais e a produtividade do sistema. Nesta etapa, além das visitas de campo, a equipe responsável pelo projeto acompanhará todo o desempenho dos sistemas via satélite, por meio de um software que permitirá o monitoramento remoto, com alerta automático na ocorrência de problemas.

Fonte:http://www.jornaldaenergia.com.br/


11/2011

< voltar às notícias