Busca
Português|English
HOME|Mapa do site|Versão Impressão
Foto: Araquém Alcântara
HOME
QUEM SOMOS
UNIDADES CONSERVAÇÃO
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
ENERGIA RENOVÁVEL
REMEDIAÇÃO
INVESTIMENTOS IMPACTO
PROJETOS
NOTÍCIAS
FALE CONOSCO
TRABALHE CONOSCO
INSTITUTO EKOS BRASIL
Av. Dr. Chucri Zaidan, 1550, cj. 1208
04711-130 - São Paulo - SP
Tel +55 11 5505-6371
Tel +55 11 3589-1502
INSTITUTO EKOS BRASIL / NOTÍCIAS / ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BR...
Energias Renováveis no Brasil em 2050

O estudo desenvolvido pelo Instituto EKOS BRASIL aborda o polêmico tema de uma matriz energética 100% renovável. O evento, realizado no dia 23 de Outubro de 2013, teve como sede os escritórios do Grupo ECOGEO e contou com a participação do Prof. José Goldemberg, líderes da Indústria e representantes da Secretaria de Energia do Estado de São Paulo.

Um país poderá atender sua demanda de energia no futuro com suas próprias fontes renováveis? Esta questão soa utópica perante o cenário energético global. Mas para o Brasil isto é possível! Obviamente que não seria da noite para o dia. A implementação desta audaciosa visão é um enorme desafio. No entanto, os recursos e tecnologias necessárias já estão disponíveis.

Atualmente, pouco menos de 50% da energia produzida no Brasil é proveniente de fontes renováveis, com destaque para a hidroeletricidade e biomassa. Ainda assim, o país é uma das lideranças mundiais e referência da América Latina. E muito mais é possível! O Instituto Ekos Brasil realizou uma projeção do consumo brasileiro de energia em 2050 e demonstra como as fontes renováveis podem suprir tal demanda.

Com base na previsão do governo brasileiro de estabilização do crescimento populacional e nas perspectivas do produto interno bruto (PIB) até 2030, e ainda, na influência de ações no âmbito da eficiência energética, estima-se que o consumo atual de energia (eletricidade e combustíveis), de 3,2 mil TWh (tera watt-hora), atinja um patamar entre 7,0 a 8,8 mil TWh em 2050.

O Brasil tem potencial de sobra para suprir essa demanda com energias renováveis. A energia solar e a biomassa são fontes cruciais que, em conjunto, poderão fornecer 75% da energia requerida.

A Alemanha, por exemplo, instalou nos últimos anos grandes parques solares. Para efeito de comparação, as mais altas taxas de irradiação solar na Alemanha são menores que as taxas mais baixas de irradiação presentes no Brasil. Além disso, o Brasil tem todos os recursos necessários para uma produção independente de energia solar.

A agricultura altamente competitiva já produz biomassa para fins energéticos e deverá se tornar cada vez mais eficiente, sem interferir nas áreas florestais tão exuberantes no país. As grandes quantidades de resíduos da agroindústria e de alimentos podem gerar energia adicional.  A energia eólica, uma fonte economicamente viável mesmo sem apoio do governo, pode ser bastante expandida perante as ótimas condições no Brasil. Na hidroeletricidade, apesar da parcela dos potenciais com menores restrições já serem bem explorados, o potencial remanescente é interessante, porém sujeito às restrições ambientais e sociais.

A concretização dessa visão, no entanto, está atrelada a grandes desafios. É fundamental preparar o caminho o mais rápido possível. Para atingir a quantidade necessária de instalações descentralizadas, é preciso um planejamento de longo prazo e programas de incentivos.

Os investimentos anuais em energias renováveis deverão ser da ordem de 115 bilhões de dólares, estimados nas tecnologias existentes em valores atuais. Entretanto, ao comparar com os 237 bilhões de dólares que a Petrobrás pretende investir entre 2013 e 2017, principalmente na promoção das jazidas de petróleo na camada do pré-sal, os valores tornam-se interessantes.

A nova matriz energética deverá ser baseada em uma demanda crescente por todas as formas de energia e com características sazonais. Portanto, integrar as diversas fontes e forma de energia será essencial na construção de uma nova matriz renovável para o Brasil. A capacidade de armazenamento e forte integração e desenvolvimento das redes de transmissão de alta eficiência são igualmente necessárias.

O desenvolvimento desta nova matriz irá fortalecer o Brasil colocando o país em posição de liderança pelo domínio das energias renováveis. A matriz energética futura determinará a forma de consumo. A eletricidade irá desempenhar um papel central e o sistema de transporte deverá se adaptar. A mobilidade brasileira por modelos elétricos de será um tema importante.

Infelizmente a atual política energética no Brasil caminha no sentido contrário. A escassez iminente de energia condicionada à disponibilidade de água leva a produção de energia por meio de usinas térmicas principalmente movidas com combustíveis fósseis. A expansão de usinas nucleares está sendo considerada. E os potenciais da bioenergia, solar e eólica estão sendo deixados em segundo plano.

 


11/2013

< voltar às notícias
ENERGIA RENOVÁVEL NO BRASIL 2050
O estudo desenvolvido pelo Instituto EKOS BRASIL aborda o polêmico tema de uma matriz energética 100% renovável no Brasil em 2050.
: : PDF Download (MB)