Busca
Português|English
HOME|Mapa do site|Versão Impressão
Foto: Araquém Alcântara
HOME
QUEM SOMOS
UNIDADES CONSERVAÇÃO
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
ENERGIA RENOVÁVEL
REMEDIAÇÃO
INVESTIMENTOS IMPACTO
PROJETOS
NOTÍCIAS
FALE CONOSCO
TRABALHE CONOSCO
INSTITUTO EKOS BRASIL
Av. Dr. Chucri Zaidan, 1550, cj. 1208
04711-130 - São Paulo - SP
Tel +55 11 5505-6371
Tel +55 11 3589-1502
INSTITUTO EKOS BRASIL / NOTÍCIAS / FINANCIAMENTO DO REDD AIN...
FINANCIAMENTO DO REDD AINDA É DÚVIDA MUNDIAL

Iniciativas voltadas para a redução das emissões por desmatamento e degradação pipocam ao redor do mundo, porém com fontes de recursos ainda escassas, os envolvidos neste mecanismo se perguntam como ele será viabilizado efetivamente

 
O REDD é um dos principais focos das discussões globais tanto relacionadas às mudanças climáticas, como à proteção dos ecossistemas e povos indígenas, porém a grande questão que não quer calar é de onde virão os bilhões de dólares necessários para a formação de um mecanismo credível a nível mundial.
 
Atualmente, as fontes de financiamento para o REDD são restritas aos nove países piloto do programa UN REDD, acordos bilaterais como o fechado entre Brasil e Noruega para o Fundo Amazônia e investidores privados.
 
Uma medida que se for concretizada pode melhorar um pouco a situação foi anunciada no encontro em Paris há cerca de um mês, quando alguns países prometeram US$ 4,5 bilhões para REDD nos próximos três anos.
 
Mercado
Para Ruben Kraiem, sócio da firma norte-americana de advocacia Covington & Burling LLP, os investidores privados ainda têm muitas dúvidas em relação ao REDD e se mostram apenas ‘aprendendo’ no mercado.
 
Kraiem acredita que a demanda será mais palpável nos próximos dois a três anos e que talvez uma abordagem nacional para o REDD ajude a simplificar o processo, inclusive da construção dos documentos de concepção de projetos.
 
“Uma coisa é certa, o dinheiro vem do setor privado e não dos governos”, afirma Edwin Aalders, sócio da empresa britânica IDEAcarbon. Ele completa dizendo que os governos não tem capacidade de fornecer os US$ 100 bilhões necessários para lidar com as mudanças climáticas.
 
“Nós temos feito isto efetivamente e podemos arrecadar dinheiro”, enfatiza Aalders. Entretanto da maneira como o REDD está sendo estruturado “não há incentivo” para que o setor privado se engaje e levará dez anos até que o mercado alcance o ritmo neste mecanismo, ressaltou.
 
Nacional
“No momento não há decisão tomada sobre o REDD, portanto o foco são apenas as atividades de “readiness” e não os mercados”, comentou Andrew Howard, diretor da Unidade de Desenvolvimento Estratégico do secretariado de mudanças climáticas da ONU (UNFCCC).
 
O processo “readiness” é conduzido pelo Programa UN REDD visando apoiar as estratégias nacionais de REDD através da alocação de recursos financeiros e conselhos técnicos para lidar com o desmatamento e a degradação florestal, incluindo ferramentas para medir e monitorar as emissões de GEEs e os fluxos de carbono nas florestas. Os fundos somam até agora US$ 48 bilhões fluindo para nove países piloto.
 
Sob a abordagem sub-nacional de preparação para o REDD, o Fundo Amazônia já aprovou cinco projetos para receber R$ 70,3 milhões destinados à prevenção e contenção de desmatamento, levantamento de dados ambientais e fundiários de propriedades rurais e restauração de áreas degradadas.
 
A ONG The Nature Conservancy Brasil é responsável por um dos projetos que receberá R$ 16 milhões do Fundo Amazônia para atuar em 12 municípios, cinco no Pará e sete em Mato Grosso, mobilizando a população a integrar o Cadastro Ambiental Rural. As informações levantadas por este projeto serão entregues aos governos estaduais.
 
O fundo conta hoje com o equivalente a US$ 110 milhões doados pelo Governo da Noruega em 2009. Ao longo dos próximos sete anos, os noruegueses se comprometeram em aportar o equivalente a US$ 1 bilhão, com base em resultados de diminuição do desmatamento.
 
 

04/2010

< voltar às notícias