Busca
Português|English
HOME|Mapa do site|Versão Impressão
Foto: Araquém Alcântara
HOME
QUEM SOMOS
UNIDADES CONSERVAÇÃO
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
ENERGIA RENOVÁVEL
REMEDIAÇÃO
INVESTIMENTOS IMPACTO
PROJETOS
NOTÍCIAS
FALE CONOSCO
TRABALHE CONOSCO
INSTITUTO EKOS BRASIL
Av. Dr. Chucri Zaidan, 1550, cj. 1208
04711-130 - São Paulo - SP
Tel +55 11 5505-6371
Tel +55 11 3589-1502
INSTITUTO EKOS BRASIL / NOTÍCIAS / PAPEL DO BRASIL NA REDUÇÃ...
PAPEL DO BRASIL NA REDUÇÃO DE EMISSÕES

Por Ricardo Voltolini, da Revista Idéia Socioambiental
http://envolverde.ig.com.br/?edt=29&PHPSESSID=f73fbb1cbee80fe6d3791f16e9dcb7ca#   

21/03/2009 -  Quarto maior emissor mundial, com 5% da cota planetária, o Brasil joga um papel importante na medida em que tem potencial para diminuir em 70%, até 2030, suas emissões de gases de efeito estufa com medidas de custos relativamente baixos. Esta é a principal conclusão de estudo apresentado, na semana passada, pela McKinsey & Company, em evento do Planeta Sustentável da editora Abril.

A sopa de números analisados pelos especialistas da consultoria é especialmente alentadora para o Brasil. Na prática, há aqui o que e onde cortar. Ao contrário de alguns países mais ricos, a fonte primeira de emissões se concentra no campo florestal. Apenas o desmatamento, o nosso mais conhecido Calcanhar de Aquiles, responde por 55% dos 2,8 milhões de toneladas de carbono. Estima-se que daqui a 20 anos represente 43%. O que compensa, em parte, o impacto da destruição das florestas são, de um lado, as baixas emissões geradas por uma matriz energética mais limpa (a hidrelétrica) e de outro, a presença marcante do etanol na frota brasileira. Isso coloca o país em situação melhor se comparado às nações sujonas onde se queima muito carvão e muita gasolina para gerar luz e mover carros.

Ainda assim, emite-se aqui 12 toneladas de carbono por habitante, marca ligeiramente acima das 10 toneladas registradas nos países industrializados. Excluída a dura parte relativa ao setor florestal, ficaríamos bem na fita com moderadas cinco toneladas. Mas como se imagina uma expansão da economia - para depois da crise, é claro - a intensidade de carbono deve subir para 14 toneladas per capita, ou 7,5 toneladas per capita, tirando o peso do desmatamento - ainda um pouco acima da média global.

A primeira constatação do estudo da McKinsey é que o Brasil não só pode - mas deve - reduzir suas emissões para 0,9 milhão de toneladas nos próximos 20 anos, esforço para o qual poderá explorar 120 oportunidades em todos os setores de sua economia. Pela ordem de potencial de abatimento em emissões, os setores florestal, de agricultura, transportes terrestres e resíduos aparecem entre os mais expressivos.

A Amazônia em pé - confirmando o que já se sabia - é um excelente negócio para o futuro do planeta. Corresponde a 72% das oportunidades de abatimento brasileiras. O cálculo se baseia no seguinte raciocínio: para aproveitar ao máximo suas possibilidade de redução de emissões, o País precisa desembolsar R$ 16,5 bilhões nas duas próximas décadas, fazendo investimentos no fortalecimento de instituições, no reforço do controle e fiscalização do Estado, no aumento da produção sustentável de madeira e outros produtos florestais e na geração de empregos e melhoria dos índices de desenvolvimento humano das pessoas que moram em áreas atingidas pelo desmatamento. Parece muito, mas não é, analisando o número sob a perspectiva do PIB nacional de R$ 2,6 trilhões (2007). Melhor ainda: uma parcela importante do investimento poderá advir do mercado internacional de créditos de carbono, um balcão de negócios sustentáveis pouco explorado pelo Brasil.

As atividades de agricultura e pecuária emitem 25% dos gases de efeito estufa brasileiros. Para 2030, projeta-se que cheguem a 30%, ou seja, 820 mil toneladas de carbono. Metade vem da pecuária, mais especificamente de uma combinação explosiva de gás metano e resíduos orgânicos produzidos por um rebanho de 200 milhões. A outra decorre de práticas agrícolas inadequadas, entre as quais as famosas queimadas e o abuso de fertilizantes feitos à base de nitrogênio. O estudo da McKinsey avalia que, com mudanças no modo de plantar e gerir nutrientes e resíduos, mais pesquisa e regulamentação, o Brasil possa diminuir em 14% suas emissões.

Em todo o mundo, o setor de transportes rodoviários lança 13% dos gases, representando a segunda maior fonte de emissões. No Brasil, contribuem com apenas 6%. Considerando o aumento da frota e a expansão da tecnologia flex, com mais uso de gasolina, espera-se que produzam 280 mil toneladas de carbono em 2030. Mas essa projeção pode baixar em 25% com melhorias tecnológicas nos carros e com o aumento do uso de biocombustíveis.

O segundo maior potencial de abatimento, fora os setores ligado à terra, concentra-se nas atividades de tratamento de resíduos sólidos e efluentes, fortemente geradores de metano e óxido nitroso. Com 53 mil toneladas de carbono, o Brasil está entre os 10 maiores emissores neste campo. A redução passa por adotar medidas de reciclagem, compostagem e captação de gases em aterros. Há tecnologia farta. Apesar de terem custo negativo (benefícios associados superiores aos gastos), tais iniciativas esbarram na necessidade de mudanças importantes em hábitos e costumes.

Somados os R$ 16,5 bilhões destinados á conservação da Amazônia com os R$ 23, 2 bilhões para custear o conjunto das iniciativas dos outros setores, o gasto total necessário ficará em torno de 1% do PIB do Brasil. Um valor modesto a julgar os claros benefícios que proporciona para a garantia da perenidade de eco-serviços essenciais à vida como água limpa, ar respirável, solo fértil e clima estável.

No Brasil, emite-se 12 toneladas de carbono por habitante; a média dos países industrializados é de 10 toneladas por habitante.

 

03/2009

< voltar às notícias