Busca
Português|English
HOME|Mapa do site|Versão Impressão
Foto: Araquém Alcântara
HOME
QUEM SOMOS
UNIDADES CONSERVAÇÃO
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
ENERGIA RENOVÁVEL
REMEDIAÇÃO
INVESTIMENTOS IMPACTO
PROJETOS
NOTÍCIAS
FALE CONOSCO
TRABALHE CONOSCO
INSTITUTO EKOS BRASIL
Av. Dr. Chucri Zaidan, 1550, cj. 1208
04711-130 - São Paulo - SP
Tel +55 11 5505-6371
Tel +55 11 3589-1502
INSTITUTO EKOS BRASIL / NOTÍCIAS / PAPEL RECICLADO OU CERTIF...
PAPEL RECICLADO OU CERTIFICADO PELO FSC: QUAL É MAIS CORRETO?

Bruno Rico, para o Último Segundo - http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/06/05/papel+reciclado+ou+certificado+pelo+fsc+qual+e+mais+correto++6545978.html

Recentemente, duas empresas precursoras da responsabilidade ambiental no País deixaram de priorizar o papel reciclado em suas atividades. O Banco Real restringiu sua utilização a talões de cheques, material de merchandising e malas diretas. Na Natura, ele foi praticamente abolido. Em ambos os casos, as companhias passaram a usar o chamado papel virgem com o certificado FSC alegando melhores benefícios socioambientais. Mas até o momento nem empresas e nem ONGs conseguem ser conclusivas frente à questão “qual papel é ecologicamente mais correto?”. A própria Natura confundiu os papéis. Em resposta enviada à reportagem do Último Segundo, afirma que o certificado FSC “define critérios de certificação florestal e de cadeia de custódia em toda a cadeia produtiva do papel”. Trata-se de um equívoco. O FSC (Conselho de Administração de Florestas, em português) é uma organização não-governamental que define critérios de certificação florestal em todo o mundo, mas não monitora o trabalho de transformação da madeira em papel.
 
Dentro das fábricas, onde há geração de dejetos tóxicos e alto consumo de água e energia, o FSC não trabalha. “Estamos lançando uma política que vai monitorar a parte social e ambiental das indústrias, mas ainda estamos fazendo testes”, disse Lucia Massaroth, engenheira florestal do Imaflora, uma das empresas que faz a monitoração das florestas para o FSC.
 
A reportagem do Último Segundo perguntou a ONGs e entidades atuantes no ramo e nenhuma pesquisa nacional que apontasse qual tipo de papel, o reciclado ou o certificado FSC, é menos impactante à natureza foi revelada. Pelo contrário, essas empresas reclamaram da falta de conclusão sobre o assunto.
 
O Instituto Akatu, que trabalha com sustentabilidade, disse que “ainda não existem estudos específicos e definitivos comparando os impactos dos papéis reciclados comparativamente aos brancos”.
 
A ONG Ekos Brasil encontrou, no entanto, um estudo europeu que responde à pergunta. A pesquisa “Examples of LCAs for Management Decisions in Europe” (“Exemplos de LCAs para as decisões de gestão na Europa, em português), encomendada pela Coop, uma cadeia de supermercados da Suíça, fez a avaliação do ciclo de vida do papel e confirmou algo que, de certa forma, já era esperado. Na média, o papel reciclado gera menor impacto ambiental do que qualquer papel virgem, incluindo os certificados pelo FSC. O principal motivo é simples: o papel reciclado poupa árvores e florestas e, por esse motivo, é defendido pelas ONGs e entidades do ramo.
 
Impacto ambiental do papel
 
Mas ambas as atividades geram impactos agressivos sobre a natureza. Para a produção de papel virgem, além do desmatamento, o diretor Délcio Rodrigues, da Ekos Brasil, explica que “precisa de solo, mudas, fertilizantes, água e energia fóssil. Quando paramos para olhar cada um desses fatores, vemos cada um desses impactos. Quanto mais uso a área, menor a possibilidade de recuperação da biodiversidade, além da liberação de gases de efeito estufa e da perda da terra, que vai parar em rios”
 
O papel reciclado, embora não derrube florestas, gera impactos também onerosos. Délcio explica que “a questão toda do papel (reciclado) é o branqueamento, que consome produtos químicos muito tóxicos”. Um dos vilões seria o “ftalato”, um aditivo usado para dar plasticidade à tinta. “Esses componentes, se não tratados, são altamente poluentes”.
 
Segundo ele, apesar dos dados confirmarem o impacto menor do papel reciclado sobre a natureza, seria um erro achar que ele não agride o meio ambiente. “O grande mito é achar que as fábricas de papel reciclado são melhores do que as outras”, alerta.
 
Entidades do setor apontam a fiscalização do tratamento dos dejetos tanto em fábricas de papéis reciclados como de papel virgem como uma atividade tão importante quanto a utilização de madeira proveniente de florestas replantadas. Não adianta, assim, comprar papel reciclado. Tem que conhecer como a empresa trata seus dejetos.
 
Certificados “verdes”
 
Especialistas e profissionais indicam que o consumidor volte sua atenção para os certificados que as marcas de papel carregam. Evelin Fagundes dos Santos, coordenadora de certificação da Imaflora, indica a que o consumidor observe os certificados ambientais. “Entre eles, há o FSC, o ISO 14001, e selos variados sobre a emissão de carbono”. Os selos podem ser encontrados na embalagens dos papeis.
 
O FSC garante que a origem da madeira é correta, proveniente de florestas plantadas e sustentáveis; os certificados de carbono monitoram a emissão de carbono durante o processo; e o Iso 14001 monitora a geração de resíduos das fábricas. Mas há pouca informação e notícias sobre este último.
 
Papel virgem e reciclado: complementares
 
Especialistas ressaltam, também, que é necessário lembrar que, para se produzir papel reciclado, em algum momento foi necessária a produção de papel virgem. De acordo com Afonso Moraes Moura, da Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel (ABTCP), a vida útil do papel dura de 4 a 7 reciclagens. E, a cada nova reciclagem, o papel vai perdendo qualidade e ganhando novas funções.
 
No seu primeiro estágio (virgem) ele pode, por exemplo, ser um papel sulfite. Depois, reciclado, pode até voltar a ser sulfite mas, para isso, precisa receber certa quantidade de papel virgem. Ma próxima reciclagem, pode se tornar embalagem de mercadorias. Numa quarta reciclagem, já se torna caixa de papelão. E, no último estágio, vira “miolo” de caixa de papelão.
 
Segundo dados da Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa), o País recicla metade de todo seu papel produzido. Entre os papelões, cerca de 75% é reciclado. As entidades defendem a ampliação da reciclagem, mas mesmo que ela atingisse 100%, o fornecimento de papel virgem é uma necessidade do mercado. “O reabastecimento do mercado com papel novo é permanentemente necessário. Eles são complementares”, explica o diretor Afonso Moraes Moura, ABTCP.
 
 
 
 
 
 

06/2009

< voltar às notícias