Busca
Português|English
HOME|Mapa do site|Versão Impressão
Foto: Araquém Alcântara
HOME
QUEM SOMOS
UNIDADES CONSERVAÇÃO
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
ENERGIA RENOVÁVEL
REMEDIAÇÃO
INVESTIMENTOS IMPACTO
PROJETOS
NOTÍCIAS
FALE CONOSCO
TRABALHE CONOSCO
INSTITUTO EKOS BRASIL
Av. Dr. Chucri Zaidan, 1550, cj. 1208
04711-130 - São Paulo - SP
Tel +55 11 5505-6371
Tel +55 11 3589-1502
INSTITUTO EKOS BRASIL / NOTÍCIAS / PEDIDA MORATÓRIA PARA EXP...
Pedida moratória para exploração de carvão

Nações Unidas, 17/8/2015 – Há tempos se sabe que a pequena ilha de Kiribati, onde vivem cerca de 103 mil pessoas em meio ao Oceano Pacífico, é um dos países insulares que corre perigo de desaparecer por causa da elevação do nível do mar, acelerado pelo aquecimento global. Quando falta pouco para a cúpula mundial que acontecerá em setembro na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, o chamado do presidente de Kiribati, Anote Tong, reflete a gravidade da situação.

Em uma carta aos governantes dos 193 Estados membros da ONU, Tong pede que declarem urgentemente “uma imediata moratória global sobre a expansão e as novas minas de carvão”, reflete a gravidade do assunto. O chamado de Tong à ação urgente acontece quando também se aproxima a realização da 21ª Conferência das Partes (COP 21) da Convenção Marco das Nações Unidas sobre a Mudança Climática, que acontecerá de 30 de novembro a 11 de dezembro, em Paris.

Em nome de “uma nação que enfrenta um futuro muito incerto”, Tong ressaltou que a moratória “seria um avanço positivo para nossa ação coletiva global contra a mudança climática e tenho a sincera esperança de que os senhores e seus povos darão um apoio positivo a esse esforço”.

A carta prossegue dizendo que “a construção de uma única mina de carvão solapa o espírito e o propósito de qualquer acordo que possamos alcançar, especialmente na COP 21. Por outro lado, frear a construção de novas minas de carvão agora permitirá que, qualquer que seja o acordo a ser alcançado (nessa cúpula), este seja verdadeiramente histórico”.

O presidente de Kiribati, que falará na Assembleia Geral da ONU no dia 30 de setembro, já conta com o forte apoio da organização ambientalista Greenpeace Internacional. Consultada sobre como a extração de carvão incide no aquecimento global, Leanne Minshull, responsável de clima e energia do Greenpeace, apontou à IPS que um terço das emissões de dióxido de carbono procede da queima desse mineral. “E é usado para produzir quase 40% da energia do mundo”.

A mineração carbonífera, o primeiro passo do sujo ciclo vital do carvão, é uma das causas do desmatamento e libera importantes quantidades de metais pesados e minerais tóxicos no solo e na água, explicou Minshull. Os efeitos da extração de carvão persistem durante anos. “Também causam danos à saúde humana e às comunidades em todo o mundo. Enquanto a indústria carbonífera não pagar pelo dano que causa, o mundo é que o faz”, enfatizou.

Para evitar as piores consequências da mudança climática, como as generalizadas secas, inundações e deslocamentos maciços de pessoas por causa da elevação do nível do mar, “precisamos manter a temperatura global abaixo dos dois graus centígrados” (em relação à era pré-industrial), disse a representante do Greenpeace. “Para isso, as emissões de gases-estufa devem alcançar seu máximo em 2015 e daí em diante baixar até zero”, acrescentou.

Os maiores produtores de carvão são Austrália, China, Estados Unidos, Índia e África do Sul.

De Kiribati, o diretor executivo do Greenpeace Internacional, Kumi Naidoo, afirmou que a população local é contra o silêncio de corporações e governos imprudentes que perpetuam a mudança climática, causadora do aumento do nível do mar.

“Me uno ao presidente de Tong em seu chamado aos governantes das ilhas que sofrem a mesma ameaça para que se juntem e reclamem justiça climática. Vi com meus próprios olhos o que significa o aumento do nível do mar para a população de Kiribati. Não é uma projeção ou um modelo científico, é real, ocorre agora e só vai piorar”, ressaltou Naidoo.

Em relação ao poder das corporações e da indústria do carvão, Minshull apontou à IPS que o setor de combustíveis fósseis tem uma longa história, nos Estados Unidos, de difundir informação falsa sobre as consequências do aquecimento global e de recorrer a táticas nebulosas para conseguir vitórias legislativas que as beneficiem. O Greenpeace divulgou um excelente informe no ano passado, denunciando a influência da indústria dos combustíveis fósseis, incluída a do carvão, acrescentou.

A União de Cientistas Preocupados afirmou que, “durante quase três décadas, muitas das maiores empresas de combustíveis fósseis trabalharam deliberadamente para enganar a população sobre a realidade e os riscos da mudança climática”. Suas táticas enganosas ficaram a descoberto em sete “dossiês de engano”, coleções de documentos internos de companhias e associações comerciais que vazaram, se tornaram públicos em processos judiciais ou vieram à luz por pedidos de informe dentro da lei de Liberdade de Informação (Foia).

“Conhecemos a ciência e sabemos que se aproxima o final da época do carvão. Lutar para extrair mais carvão sujo só pode nascer da ignorância ou de um total desprezo pelos milhões de pessoas em risco cada vez que é queimado”, destacou Naidoo. “Necessitamos uma liderança internacional nesse assunto e um abandono planejado do carvão, que implique uma transição justa para os trabalhadores, e com consultas às comunidades afetadas”, acrescentou.

Uma avaliação do Grupo Intergovernamental de Especialistas sobre Mudança Climática (IPCC) destaca que o aumento do nível do mar projetado para este século apresentará “severos riscos de inundações e erosão” para as ilhas de terras baixas, com a possibilidade de haver degradação dos recursos de água doce.

Cada onda enorme representa o perigo de causar danos e inundações. Em alguns lugares, o nível do mar sobe 1,2 centímetros por ano, quatro vezes mais do que a média mundial. Isso significa que 80% das reservas de carvão deverão permanecer sem uso se pretendemos ter a possibilidade de proteger países como Kiribati, Ilhas Marshall e Filipinas, segundo o Greenpeace.

Por Envolverde/IPS

 

http://www.envolverde.com.br/rede/ips-rede/pedida-moratoria-para-exploracao-de-carvao/#comments


08/2015

< voltar às notícias