Busca
Português|English
HOME|Mapa do site|Versão Impressão
Foto: Araquém Alcântara
HOME
QUEM SOMOS
UNIDADES CONSERVAÇÃO
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
ENERGIA RENOVÁVEL
REMEDIAÇÃO
INVESTIMENTOS IMPACTO
PROJETOS
NOTÍCIAS
FALE CONOSCO
TRABALHE CONOSCO
INSTITUTO EKOS BRASIL
Av. Dr. Chucri Zaidan, 1550, cj. 1208
04711-130 - São Paulo - SP
Tel +55 11 5505-6371
Tel +55 11 3589-1502
INSTITUTO EKOS BRASIL / NOTÍCIAS / PLANO DE MONITORAMENTO E ...
PLANO DE MONITORAMENTO E GESTÃO DOS IMPACTOS DE VISITAÇÃO

Nos dias 10 e 11 de Novembro, no Parque Estadual da Cantareira em São Paulo, 26 gestores e funcionários de parques estaduais do Estado e, ainda, monitores que atuam nessas unidades de conservação, receberam treinamento para implantar o Plano de Monitoramento e Gestão dos Impactos da Visitação desenvolvido pelo Ekos Brasil. O projeto envolveu desde as atividades iniciais de reconhecimento das trilhas e atrativos em campo até a implantação de estratégias de manejo para reverter os impactos da visitação.

O Plano foi desenvolvido pelo Ekos Brasil em parceria com a BK Consultoria e Serviços respondendo a uma iniciativa do Projeto de Desenvolvimento do Ecoturismo na Região da Mata Atlântica da Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo, com financiamento do BID.

Nos últimos anos, o uso público recreativo em áreas naturais protegidas, as unidades de conservação, cresceu significativamente. A pressão desta visitação sobre esses ambientes pode comprometer a qualidade da vegetação, da fauna, solo, água etc, e afetar a qualidade da experiência do visitante. Por isso, o uso público das unidades de conservação deve ser planejado conforme os objetivos de manejo da área protegida e os seus impactos devem ser gerenciados com a finalidade de evitar a degradação do ambiente e desvios de manejo.

 
 
A visitação – seja para o lazer, recreativa, contemplativa ou educativa – quando bem conduzida traz inúmeros benefícios à unidade de conservação, promovendo sua proteção e conservação, criando oportunidades para a educação ambiental e para o desenvolvimento regional trazido pelo turismo.
 
Contudo, para garantir o sucesso e perpetuidade da condição das unidades de conservação, é necessário conhecer os impactos que a visitação pode causar a esses ambientes e, assim, evitá-los, controlá-los e minimizá-los. Para tanto, não há melhor estratégia que a implantação de um sistema de monitoramento e gestão dos impactos da visitação.
 
O trabalho foi desenvolvido de forma participativa, envolvendo desde o início gestores e funcionários das unidades de conservação de São Paulo, técnicos da Secretaria de Meio Ambiente, WWF, Ekos Brasil e diversos especialistas no assunto.
 
Como resultado, foi elaborado o Plano de Monitoramento e Gestão dos Impactos da Visitação, que propôs um programa mínimo e padrões de monitoramento, a ser difundido e aplicado em todos os parques estaduais. O programa permite ainda que cada unidade de conservação o adapte à sua realidade.
 
Todos os presentes ao treinamento serão agentes multiplicadores do Plano e instruirão os demais funcionários e gestores do Sistema de Florestas do Estado envolvidos com o manejo do uso público das unidades de conservação.

03/2010

< voltar às notícias