Busca
Português|English
HOME|Mapa do site|Versão Impressão
Foto: Araquém Alcântara
HOME
QUEM SOMOS
UNIDADES CONSERVAÇÃO
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
ENERGIA RENOVÁVEL
REMEDIAÇÃO
INVESTIMENTOS IMPACTO
PROJETOS
NOTÍCIAS
FALE CONOSCO
TRABALHE CONOSCO
INSTITUTO EKOS BRASIL
Av. Dr. Chucri Zaidan, 1550, cj. 1208
04711-130 - São Paulo - SP
Tel +55 11 5505-6371
Tel +55 11 3589-1502
INSTITUTO EKOS BRASIL / NOTÍCIAS / POEIRA DO SAARA INTENSIFI...
POEIRA DO SAARA INTENSIFICA CHUVA NA FLORESTA AMAZÔNICA

Partículas saem do deserto e cruzam o Oceano Atlântico todos os anos
por Cristina Amorim para o Jornal O Estado de S. Paulo - 10/06/2009

A poeira de uma das regiões mais áridas do mundo provoca chuvas na maior floresta úmida do planeta. Uma pesquisa publicada no mês passado na revista científica Nature Geoscience mostra que o material que sai do Saara e atravessa o Atlântico está ligado diretamente à intensidade da precipitação na Amazônia.

Todo ano, entre fevereiro e abril, a areia suspensa por tempestades no deserto sai da África, cruza o oceano e alcança a América. Em processos já conhecidos, ela influencia o clima e até a biodiversidade do Atlântico. Mas até agora não havia sido ligada com tanta propriedade às chuvas na região tropical americana.
 
O físico Paulo Artaxo, da Universidade de São Paulo (USP), um dos autores do estudo, explica que a poeira do Saara apresenta características que favorecem o aparecimento de cristais de gelo nas nuvens convectivas - que, na Amazônia, respondem por 90% da chuva. Essas nuvens se formam na alta atmosfera, de 15 a 18 quilômetros de altura, e são feitas de gelo.
 
Nem toda partícula em suspensão tem a capacidade de nuclear cristais de gelo. O material do deserto, contudo, é rico em ferro. Quando está em alta altitude, onde a temperatura oscila entre -50°C e -70°C, o ferro tem a capacidade de condensar vapor d’água sobre ele, compondo então as nuvens convectivas. "Esse mecanismo é mais importante do que a gente imaginava", diz o físico.
 
Além do ferro, a poeira traz elementos como o fósforo. Ambos são nutrientes de grande valor para a floresta. O cientista acredita que, "em uma escala de tempo de milênios, eles até podem ajudar a explicar a exuberância da Amazônia".
 
O trabalho contou com dados recolhidos em uma das 12 torres do Programa de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera (LBA) espalhados pela Amazônia. Segundo Artaxo, mais estudos precisam ser feitos, com informações coletadas em outras regiões da floresta, para comprovar a influência do Saara em todo o bioma.
 
O físico também está curioso sobre o efeito das mudanças climáticas no mecanismo. Estudos sobre o aquecimento global indicam que o Saara pode ficar ainda mais seco - o que pode se traduzir em mais chuva na Amazônia e contradiz projeções para o futuro da região.
 
 
 

06/2009

< voltar às notícias