Busca
Português|English
HOME|Mapa do site|Versão Impressão
Foto: Araquém Alcântara
HOME
QUEM SOMOS
UNIDADES CONSERVAÇÃO
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
ENERGIA RENOVÁVEL
REMEDIAÇÃO
INVESTIMENTOS IMPACTO
PROJETOS
NOTÍCIAS
FALE CONOSCO
TRABALHE CONOSCO
INSTITUTO EKOS BRASIL
Av. Dr. Chucri Zaidan, 1550, cj. 1208
04711-130 - São Paulo - SP
Tel +55 11 5505-6371
Tel +55 11 3589-1502
INSTITUTO EKOS BRASIL / NOTÍCIAS / USO DE AQUECEDOR SOLAR EM...
USO DE AQUECEDOR SOLAR EM PROGRAMA HABITACIONAL SERÁ OPCIONAL

Agência Brasil

O uso de sistemas de aquecimento solar nas casas do programa Minha Casa, Minha Vida pode começar a sair do papel. A utilização de placas solares, que chegou a ser cogitada como item obrigatório dos projetos,será opcional e deve chegar a apenas uma parte das 1 milhão de casas que o governo pretende construir.
 
Esta semana, o governo criou um grupo de trabalho para definir os critérios para instalação dos aparelhos e apressar as negociações com as construtoras para que as placas sejam incluídas ainda nas primeiras casas do programa. O grupo tem representantes dos ministérios do Meio Ambiente, de Minas e Energia, das Cidades, além da Caixa Econômica Federal, do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) e empresários do setor.
 
De acordo com a coordenadora de Energia e Meio Ambiente da Secretaria e Mudanças Climáticas do Ministério do Meio Ambiente, Vânia Soares, o grupo de trabalho deve se reunir com as empreiteiras na primeira quinzena de agosto.
 
"Como os projetos estão na etapa inicial, é importante ter uma conversa com as maiores empresas de construção civil para incentivá-las a dar essa contribuição. (As empresas) poderão rever os projetos ou incluir os aquecedores em novas propostas. Acredito que não haverá muita complicação", disse.
 
Segundo Vânia, a inclusão do sistema de aquecimento solar nas casas populares tem custo médio de R$ 1,2 mil, dependendo da região do país. "Não vai afetar o valor da prestação. As empresas receberão subsídios e em alguns casos haverá doação dos equipamentos".
 
O grupo de trabalho não definiu metas ou número mínimo de unidades habitacionais que deverão receber o sistema de aquecimento solar. A inciativa vai depender das construtoras ou das prefeituras, que podem sugerir a inclusão das placas solares nos projetos. "A Caixa está autorizada a financiar quantos projetos aparecerem", disse Vânia. Na primeira etapa, a coordenadora acredita que até 100 mil casas poderão receber o equipamento.
 
De acordo com Vânia, o uso de energia solar para aquecimento de água reduz o consumo de energia elétrica em cerca de 30%. Ela disse ainda que o sistema poderá ser instalado em casas ou edifícios.
 
O grupo de trabalho também estuda como oferecer capacitação para os engenheiros e arquitetos da Caixa responsáveis pela análise dos projetos das empreiteiras e para os futuros moradores, para fazer a manutenção e limpeza dos equipamentos.
 
 
 
 

07/2009

< voltar às notícias