Busca
Português|English
HOME|Mapa do site|Versão Impressão
Foto: Araquém Alcântara
HOME
QUEM SOMOS
UNIDADES CONSERVAÇÃO
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
ENERGIA RENOVÁVEL
REMEDIAÇÃO
INVESTIMENTOS IMPACTO
NOTÍCIAS
FALE CONOSCO
TRABALHE CONOSCO
INSTITUTO EKOS BRASIL
Av. Dr. Chucri Zaidan, 1550, cj. 1208
04711-130 - São Paulo - SP
Tel +55 11 5505-6371
Tel +55 11 3589-1502
INSTITUTO EKOS BRASIL / PROJETOS / BERTIOGA
PARQUE ESTADUAL RESTINGA DE BERTIOGA (SP)
Diagnóstico socioambiental para criação de unidade de conservação

A Mata Atlântica é uma das florestas mais ameaçadas do mundo. É considerada uma das áreas mais importantes para a conservação da biodiversidade no planeta e ações que visam sua proteção devem ser prioritárias. No Estado de São Paulo a situação da Mata Atlântica é crítica, a cobertura florestal original foi reduzida a cerca de 7%, dos quais 5,98% encontram-se no litoral (Fundação SOS Mata Atlântica, 1998; WWF, 2006).

Através de suas ações, o Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria do Meio Ambiente, conseguiu na região mais desenvolvida do país poupar da destruição uma das áreas contínuas mais ricas em biodiversidade biológica do bioma: o Parque Estadual da Serra do Mar (PESM), o maior Parque da Mata Atlântica do Brasil. Uma das situação mais críticas porém, encontra-se nas áreas de litoral, onde os remanescentes continuam sofrendo grande pressão. O Plano de Manejo do Parque Estadual da Serra do Mar (São Paulo, 2006) aponta entre as áreas de maior importância para a conservação adjascentes ao PESM, a grande extensão de áreas contínuas de restinga da região de Bertioga e São Sebastião. Boracéia e Barra do Una são categorizadas de acordo com sua importância para a conservação da biodiversidade, como de alta à extrema riqueza de aves e anfíbios. É considerada como a região de maior riqueza de anfíbios conhecida para a Mata Atlântica, apresenta elevado número de espécies ameaçadas de aves, e a vegetação bem conservada forma um importante corredor ecológico até o planalto. A ocorrência de grandes propriedades e o controle dos acessos ajudam a manter uma grande densidade de palmitos e maior número de espécies cinegéticas de aves (São Paulo, 2006).

Com o objetivo de promover a proteção destes importantes remanescentes de Mata Atlântica, o WWF-Brasil em uma parceria com o Instituto Florestal e a Fundação Florestal do Estado de São Paulo, apoiada pelo Ministério do Meio Ambiente/PDA e com a coordenação Executiva do Instituto Ekos Brasil, no âmbito do projeto “Criação e Ampliação de Unidades de Conservação no Estado de São Paulo baseada no Princípio da Representatividade”, propõe a elaboração do Diagnóstico Socioambiental para Criação de Unidades de Conservação, no Polígono denominado Bertioga.

BERTIOGA - RELATÓRIO FINAL
: : PDF Download (MB)