De norte a sul, Ekos Brasil visita finalistas do Ecomudança 2018

Entre os meses de junho e julho, parte do time do Instituto Ekos Brasil percorreu as 5 regiões do Brasil e passou por 10 estados diferentes para conhecer de perto 21 projetos finalistas na 4ª etapa do Programa Ecomudança 2018.

O programa é uma iniciativa do Itaú em parceria com o Instituto Ekos Brasil, com o objetivo de transformar os investimentos dos clientes do Itaú Unibanco em benefícios para a sociedade. O valor do apoio financeiro vem dos fundos de renda fixa Ecomudança Itaú, que destina 30% das taxas de administração ao Programa.

“As visitas nos permitem mergulhar na realidade da organização e da comunidade e entender melhor a dinâmica e os potenciais impactos do projeto. É muito interessante conhecer realidades diferentes e ver como essas oportunidades mudam a vida dessas pessoas, reforçando a importância do apoio à essas iniciativas”, comentou Jéssica Fernandes, analista ambiental do Instituto Ekos Brasil que participou das visitas.

Neste processo, o Ekos Brasil tem a responsabilidade de realizar uma avaliação independente dos projetos, garantindo ao investidor, o Itaú, a consistência e a credibilidade de cada um deles, ao mesmo tempo em que diminui a demanda interna da equipe de sustentabilidade do banco.

Projeto de reciclagem de restos de comida com criação de horta e educação ambiental em comunidade de baixa renda

 

Dentre os projetos visitados pela equipe chamou a atenção aqueles que envolvem a implantação de Sistemas Agroflorestais, já que são capazes de gerar diversos benefícios socioambientais e aumentam o estoque de carbono em áreas muitas vezes subaproveitadas ou com solos degradados.

“Nesses projetos, temos um belo exemplo de como a conservação ambiental, o combate às mudanças climáticas e o desenvolvimento socioeconômico se reforçam”, disse Thiago Othero, consultor técnico no Ekos Brasil.

E realmente não são somente as conquistas ambientais que fazem a diferença.

A equipe esteve diante de comunidades inteiras organizadas, comprometidas em beneficiar seus membros em condições vulneráveis. Em alguns projetos, por exemplo, cooperativas e associações dão um destino útil ao que muitos consideram lixo, gerando renda para a comunidade e reduzindo ou eliminando problemas que decorrem do descarte inadequado de resíduos.

“Notei também que existe um potencial muito grande de multiplicar essas iniciativas e que o investimento social das empresas pode ser o catalisador para essa mudança”, finalizou Othero.

Projeto de energia solar em cooperativa de produtos agroecológicos

 

Saiba mais sobre as etapas do Ecomudança

Neste ano, recebemos mais de 1.100 projetos de todos os estados do Brasil. Cerca de 750 projetos foram classificados para a 2ª etapa e passaram por um rigoroso processo de avaliação.

Na 2ª etapa, analisamos diversos indicadores, dentre eles:

  • O potencial do projeto gerar impactos socioambientais positivos;
  • A quantidade esperada de redução de emissão de GEE;
  • A capacidade da organização em gerir o projeto com sucesso;
  • O potencial de replicabilidade do projeto.

A partir desta análise, foi gerado um ranking e, os melhores projetos foram para a 3a etapa, que consiste numa entrevista com os responsáveis técnicos de cada projeto.

Para a 4ª etapa, um novo ranking é gerado . Nesta fase, 21 projetos foram considerados finalistas, e portanto, receberam um integrante da equipe do Instituto Ekos Brasil para a apresentação da iniciativa.

Após esta fase, o Conselho do Programa se reúne e, com base em parâmetros de avaliação de impacto, seleciona os projetos vencedores da edição.